MEIO AMBIENTE – Reservas Ecológicas

 

Reservas Ecológicas

MEIO AMBIENTE – Reservas Ecológicas


 

Unidades de Conservação

 

O Brasil está entre os 3 países do mundo de maior diversidade biológica. Possui a flora mais rica do planeta e a sua fauna é a primeira em número de espécies de vertebrados terrestres, primatas e peixes de água doce. Destaca-se ainda quanto ao número de espécies de aves, mamíferos, répteis e anfíbios.

Para a proteção desse inestimável patrimônio natural, ao qual se juntam paisagens de excepcional beleza cênica, e outros recursos e valores não biológicos, de importância fundamental para a vida na Terra, iniciou-se há 55 anos de estabelecimento de áreas protegidas no Brasil. Hoje, estas áreas, conhecidas no conjunto como Unidades de Conservação, constituem um instrumento essencial para a proteção da biodiversidade do país. Cerca de 3,9% do território nacional está sob proteção governamental na forma de Parques Nacionais, Reservas Biológicas, Estações Ecológicas, Florestas Nacionais, Reservas Extrativistas e Áreas de Proteção Ambiental, cada tipo de Unidade cumprindo papéis distintos e complementares, que vão desde a preservação estrita até a utilização direta controlada dos recursos.

Todas as formas de vida são únicas e o respeito às mesmas deve ser assegurado independentemente da sua utilidade. Além disso, o homem é parte da Natureza e dela depende para uma vida saudável. As unidades de conservação representam a materialização deste entendimento e constituem um trabalho prioritário do IBAMA, responsável, a nível federal, por sua criação, implantação e manejo.

 

Conservating Units

 

Brazil is one of the three countries of the world that shows the largest biological diversity. It owns the richest flora of the planet, and its fauna is the leader in number of land vertebrate species, primates and fresh water fish. It also exhibits an outstanding number of birds, mammals, reptiles and anfians.

To the protection of this unpriceable natural patrimony, to wich one may join exceptionally beautiful landscapes and other non-biological resources of first importance to life one earth, it was started, about 55 years ago, the settlement of protected areas in Brazil. Those areas, known as Conservating Units, represent today an essential tool to the biodiversity protection in the country. Near 3,9% of the national territory is under governmental protection as National Parks, Biological Reserves, Ecological Stations, National Forests, Natural Resoucers Extration Reserves and Environmental Protection Areas – each kind of Unit performing supplementary roles, from strict preservation to controled utlization of resoucers.

All life forms are unique, and the respect to them must be assured regardless of their utility. Besides of that, man is part of nature and depends on it for a healthy life. Conservating Units are the materializing of this approach and represent a top priority task for IBAMA – the federal agency which is responsible for their creation, implantation and management.


 

 

 

 

RESERVAS ECOLÓGICAS

 

Denominação

 

UF

 

Municípios Abrangidos

 

Superfície

Decreto

Número                         Data

R.E. Juami-Japurá

AM

 

173.180

88.542

21.07.83

R.E. Jutaí Solimões

AM

 

288.187

88.541

21.07.83

R.E. Sauim-Castanheira

AM

Manaus

109

87.455

12.08.82

 


MEIO AMBIENTE – Reservas Ecológicas         

 

Manaus terá o maior Jardim Botânico do Mundo.

 

Manaus cuida de suas reservas ecológicas como se cuida de um jardim. Prova disso é que a Prefeitura irá transformar 100 milhões de metros quadrados da Reserva Ducke, que vivia sob a ameação de invasões, no maior Jardim Botânico do mundo.

Um dos lugares mais lindos e preservados do planeta será também um dos mais visitados por turistas de todas as partes.

O Jardim Botânico será essencial para preservação de espécies vivas e raras que só existem no Amazonas, além de funcionar como centro de pesquisa, educação e lazer

Com atitudes como esta, a Prefeitura vem melhorando as condições de vida de seus cidadãos e fazendo de Manaus a Capital Ecológica do Mundo.

 

MEIO AMBIENTE – Reservas Ecológicas - Pará

 

Unidades de Conservação da Natureza

 

Conservar e preservar os centros relevantes de biodiversidade, as espécies ameaçadas de extinção, as características excepcionais de natureza geológica, geomorfológica e quando couber, arqueológica, espeleológica, histórica e cultural; as belezas cênicas, as áreas produtivas e potencialmente úteis ao ser humano, nas diversas categorias de manejo, visando a pesquisa científica, o manejo sustentado, a educação ambiental, a recreação e o turismo, de acordo com as vocações naturais e condições sócio-econômicas de amostras representativas dos ecossistemas do Estado do Pará.

 

1 - Parque Estadual da Serra dos Martírios/Andorinhas.

Amparo Legal: Lei no 5.982, de 25 de julho de 1996.
Área e Perímetro: 24.897,38 ha e 176,76 Km
Localização Geográfica : Município de São Geraldo do Araguaia, Sudeste do Estado, entre as coordenadas geográficas aproximadas, cujos pontos extremos localizam-se ao Norte em 48o32’09”Long. W. Gr. x 06o04’36’Lat. Sul, ao Sul em 48o23’10” Long. W. Gr. x 06o22’39” Lat. Sul., a Leste em 48o23’06” Long. W.Gr. x 06o22’09” Lat. Sul e a Oeste em 48o35’20”Long. W.Gr. x 06o12’53” Lat. Sul.
Objetivo: Preservar os ecossistemas naturais englobados, as belezas cênicas, e de acordo com os levantamentos gerais, 11 (onze) estruturas ruiniformes, 26 (vinte e seis) cavernas, 36 (trinta e seis) grutas, 01 (uma) fenda, 01 (uma) dolina, 80 (oitenta) sítios arqueológicos, 150 (cento e cinquenta) pinturas rupestres e mais de 5.000 (cinco) mil gravuras rupestres com idade estimada em 8.300 A.P., 28 (vinte e oito) cachoeiras, mais de 500 (quinhentas) espécies herbáceas e arbustívas, mais de 150 ( cento e cinqüenta) espécies arbóreas, 80 (oitenta) espécies de orquídeas, 38 (trinta e oito) espécies medicinais e aproximadamente 532 espécies de aves, mamíferos, répteis, anfíbios e peixes. Constatou-se 16 (dezesseis) populações da fauna e 03 (três) populações da flora como espécies ameaçadas de extinção de acordo com a lista oficial brasileira. A Serra também foi palco da “guerrilha do Araguaia”. Pretende-se conciliar a proteção integral com a utilização para fins científicos, culturais, educacionais recreativos e turísticos.

 

2- Parque Ambiental de Belém

Amparo Legal: Decreto no 1.552, de 03 de maio de 1993.
Área e Perímetro: 1.300 ha e 24.000 m
Localização: Município de Belém, área metropolitana, nordeste do Estado.
Objetivo: Proteção sanitária dos lagos Bolonha e Água Preta que abastecem a população de Belém. Atualmente está sendo reavaliada e redimensionada para possível mudança de categoria de manejo.

Uma pequena parte dessa imensa área é destinada a atividades científicas, culturais, turísticas e recreativas. Os lagos Bolonha e Água Preta, formados pelos igarapés Murutucu e Água Preta, são os mais importantes mananciais de Belém. Esses lagos, com volumes de 2 e 10 bilhões de litros de água, respectivamente, são responsáveis pelo abastecimento de 1 milhão de pessoas, o que corresponde a 65% da população metropolitana.

A vegetação na área é considerada uma das últimas florestas de terra firme nos arredores de Belém. Como exemplo desse ecossistema, a área contém uma faixa de mata praticamente inalterada. Há também florestas de várzeas, igapós, além de capoeiras e capoeirões.

 

3 - Área de Proteção Ambiental dos Mananciais de Abastecimento de Água de Belém.

Amparo Legal: Decreto no 1.551, de 03 de maio de 1993.
Área: 7.500 ha
Localização: Municípios de Belém e Ananindeua, nordeste do Estado, bacias hidrográficas dos lagos Bolonha e Água Preta e do Rio Aurá.
Objetivo: Assegurar a potabilidade da água dos mananciais, através da restauração e da manutenção da qualidade ambiental dos lagos Água Preta e Bolonha, do rio Aurá e respectivas bacias hidrográficas. Ordenar com base em critérios urbanísticos e ecológicos o uso do solo. Promover a recuperação das áreas degradadas incluindo o seu reflorestamento.

 

4 - Área de Proteção Ambiental de São Geraldo do Araguaia

Amparo Legal: Lei no 5.983 de 25 de julho de 1996.
Área e perímetro: 29.655,39 ha e 287,13 Km
Localização geográfica: Município de São Geraldo do Araguaia, sudeste do Estado, entre as coordenadas geográficas aproximadas de 06o 03’30” Lat. Sul a 060 22’ 44” Lat. Sul e 480 23’27” Long.W. Gr. a 48o36’13”Long.. W. Gr.
Objetivo: Conservar e recuperar os ecossistemas ou parte destes, visando a melhoria da qualidade de vida das populações locais através de programas e projetos de desenvolvimento sustentado.

 

5 - Área de Proteção Ambiental de Algodoal-Maiandeua.

Amparo Legal: Lei no 5.621, de 27 de novembro de 1990.
Área: 2.378 ha
Localização geográfica: Município de Maracanã, nordeste do Estado, entre as coordenadas geográficas aproximadas de 47o32’05” à 47o34’12 de Long. W. Gr. e 0o34’45” à 0o37’30”de Lat. Sul.
Objetivo: Conservação da diversidade biológica e das belezas cênicas, visando o desenvolvimento sustentado baseado principalmente em ecoturismo.

6 - Área de Proteção Ambiental do Arquipélago do Marajó

Amparo Legal: Art. 13, § 2o da Constituição do Estado, promulgada em 05 de outubro de 1989.
Área: A Ilha do Marajó possui uma área territorial de 4.960.600 ha. Divide-se em 12 (doze) municípios, cujos limites estendem-se pelas ilhas do entorno, com área total de 5.998.570 ha.
Localização Geográfica: Nordeste do Estado, englobando os municípios de Afuá, Anajás, Breves, Cachoeira do Arari, Chaves, Curralinho, Muaná, Ponta de Pedras, Salvaterra, Santa Cruz do Arari, São Sebastião da Boa Vista e Soure, que estão entre as coordenadas geográficas aproximadas de 0o40’00” Lat. Norte à 01o50’00” Lat. Sul e 48o10’00” à 51o13’00” Long. W. Gr.
Objetivo: Elaborar e executar o zoneamento ecológico-econômico, visando a conservação da biodiversidade, o desenvolvimento e melhoria da qualidade de vida da população marajoara. Preservar as espécies ameaçadas de extinção e amostras representativas dos ecossistemas. Implementar projetos de pesquisa científica, educação ambiental e ecoturismo.

 

Unidades de Conservação Federais, Estaduais e Municipais do Estado do Pará

 

Superfície do Estado: 1.253.164,5Km2 (IBGE-1998)

 

OBS: Na Floresta Nacional de Caxiuanã, na área do Município de Melgaço, localiza-se a Estação Científica Ferreira Penna do Museu Paraense Emílio Goeldi, com 33.000ha, objeto do Convênio IBAMA/CNPq/MPEG n0 065/90, publicado no D.O.U. em 10/07/90.

 

GOVERNO FEDERAL

Entidade responsável: IBAMA

 

Parque Nacional da Amazônia

Área: 994.000

Localização: Rio Tapajós, Rodovia Transamazônica, municípios de Itaituba, Aveiro e Maués (AM)

 

Reserva Biológica do Rio Trombetas

Área: 385.000

Localização: Rio Trombetas, município de Oriximiná

 

Reserva Biológica do Tapirapé

Área: 103.000

Localização: Rio Itacaiunas, município de Marabá

 

Estação Ecológica do Jari

Área: 227.126

Localização: Rios Jari e Paru, municípios de Almerim e Laranjal do Jari (AP)

 

Floresta Nacional de Caxiuanã

Área: 200.000

Baía do Caxiuanã, municípios de Portel, Melgaço, Gurupá e Porto de Moz

 

Floresta Nacional do Tapajós

Área: 600.000

Localização: Rio Tapajós, Rodovia BR 163 Km 50, municípios de Belterra, Aveiro e Rurópolis

 

Floresta Nacional do Tapirapé-Aquiri

Área: 190.000

Localização: Serra dos Carajás, municípios de Marabá e São Félix do Xingu

 

Floresta Nacional de Saracá-Taquera

Área: 429.600

Localização: Rio Trombetas, municípios de Oriximiná e Faro

 

Floresta Nacional do Itacaiunas

Área: 141.400

Localização: Rios Itacaiunas e Aquiri, município de Marabá

 

Floresta Nacional de Itaituba I

Área: 220.034

Localização: Rios Tapajós e Jamanxim, município de Itaituba.

 

Floresta Nacional de Itaituba II

Área: 440.500

Localização: Rios Tapajós e Jamanxim, Gleba Aruri, município de Itaituba

 

Floresta Nacional de Altamira

Área: 689.012

Localização: Rio Curuá, Terra Indígena Baú, municípios de Altamira e Itaituba

 

Floresta Nacional do Xingu

Área: 252.790

Localização: Rios Xingu e Iriri, Terra Indígena Kararaô, município de Altamira

Floresta Nacional de Carajás

Área: 411.949

Localização: Rios Parauapebas e Itacaiunas, PA-275, ferrovia de Carajás, Cia. Vale do Rio Doce, município de Parauapebas e Marabá

 

Reserva Extrativista Tapajós-Arapiuns

Área: 647.611

Localização: Margem esquerda dos rios Tapajós e igarapé-Açu, municípios de Santarém e Aveiro

 

Área de Proteção Ambiental de Igarapé Gelado

Área: 21.600

Localização: Rio Itacaiunas, ferrovia de Carajás, municípios de Parauapebas e Marabá

 

TOTAL DA ÁREA: 5.856.940

 

 

INICIATIVA PARTICULAR/IBAMA

 

Reserva Particular do Patrimônio Natural Nadir Júnior

Entidade responsável: NADIR PINHEIRO DO NASCIMENTO

Área: 2.000

Localização: Município de Moju

 

Reserva Particular do Patrimônio Natural Fazenda Pioneira

Entidade responsável: Companhia Siderúrgica do Pará - COSIPAR

Área: 400

Localização: Rodovia PA 150, Km 422, Distrito Industrial, Município de Marabá

 

TOTAL DA ÁREA: 2.400

 

GOVERNO ESTADUAL

 

Parque Ambiental de Belém (incluído na Área da APA Belém)

Entidade responsável: SECTAM

Área: 1.340

Localização: Nordeste, Município de Belém

 

Parque Estadual da Serra dos Martírios/Andorinhas

Entidade responsável: SECTAM

Área: 24.897

Localização: Sudeste, rio Araguaia, Município de São Geraldo do Araguaia

 

Área de Proteção Ambiental do Arquipélago do Marajó - APA Marajó

Entidade responsável: SECTAM

Área: 5.500.000

Localização: Norte/Nordeste; Oceano Atlântico, rio Amazonas, Baía do Marajó

 

Área de Proteção Ambiental de Algodoal- Maiandeua - APA Algodoal

Entidade responsável: SECTAM

Área: 2.378

Localização: Nordeste, Município de Maracanã

 

Área de Proteção Ambiental dos Mananciais de Abastecimento de Água de Belém - APA Belém

Entidade responsável: SECTAM

Área: 5.886

Total: 7.226

Localização: Nordeste, Municípios de Belém e Ananindeua

 

Área de Proteção Ambiental de São Geraldo do Araguaia-APA Araguaia

Entidade responsável: SECTAM

Área: 29.655

Localização: Sudeste, rio Araguaia; Município de São Geraldo do Araguaia

Área de Proteção Ambiental da ? lha do Combu

Entidade responsável: SECTAM

Área: 1.500

Localização: Nordeste, Município de Belém

 

Reserva Estadual para Aproveitamento Científico (Palhão)

Entidade responsável: SECTAM

Área: 1.180

 

 

TOTAL DA ÁREA: 5.566.836

 

GOVERNO MUNICIPAL

 

Parque Ecológico do Município de Belém

Entidade responsável: FUNVERDE

Localização: Nordeste, Conjunto Médici II, Município de Belém

 

Parque Ecológico da lha do Mosqueiro

Entidade responsável: FUNVERDE/CODEM

Área: 182

Localização: Nordeste, lha do Mosqueiro, Município de Belém

 

Reserva Ecológica da Mata do Bacurizal e do Lago Caraparú

Entidade responsável: Prefeitura de Salvaterra.

Nordeste, lha do Marajó, Município de Salvaterra

 

Área de Proteção Ambiental de Barreiro das Antas

Entidade responsável: Prefeitura de São Geraldo do Araguaia.

Área: 153

Localização: Sudeste, Município de São Geraldo do Araguaia

 

Área de Proteção Ambiental Jabotitiua-Jatium

Entidade responsável: PREFEITURA DE VISEU

Área: 14.254

Localização: Nordeste, Município de Viseu

 

Área de Proteção Ambiental da Costa de Urumajó

Entidade responsável: PREFEITURA DE AUGUSTO CORRÊA

Área: 30.617

 

Área de Proteção Ambiental Bom Jardim/ Passa Tudo

Entidade responsável: PREFEITURA DE ITAITUBA

 

Área de Proteção Ambiental Praia do Sapo

Entidade responsável: PREFEITURA DE ITAITUBA

Localização: Sudeste do rio Tapajós, da foz do igarapé Oriundo até o limite da Reserva Indígena

 

Área do Mangue

 

TOTAL DA ÁREA: 45.242

 

 

TOTAL GERAL 11.471.418

 

OBS: Das 41 (quarenta e uma) Terras Indígenas no Estado do Pará apenas 33 (trinta e três) estão com área definida, somando 25.321.283,8446ha, o que corresponde a 20,21%. Essas Terras Indígenas somadas às Unidades de Conservação perfazem 36.792.701,84ha, correspondendo a 29,36% da superfície do Estado).